Se alguém pensa que irá encontrar na encenação de Mónica Garnel uma versão dita clássica, repleta de togas gregas, colunas e marcações previsíveis é porque não tem estado atento à modernidade da sua forma de ver o Teatro.