Apesar das muitas controvérsias geradas em torno da sua figura, desde alegadas ligações à CIA, aproveitamento mediático aquando da elaboração, no início da sua carreira jornalística, de um artigo sobre as “Coelhinhas da Playboy”, acusações de mentir às mulheres induzindo-as a privilegiar a carreira profissional em detrimento da maternidade e até (pasme-se!) da circunstância – à qual é obviamente alheia – de ser uma mulher bonita, são muitos e, de todos os cantos do mundo, os que têm procurado orientação e esperança em torno das palavras de Steinem e do seu talento em produzir citações de conteúdo inspiracional e, sobretudo, mobilizador.

Desde 2007, altura da sua 1.ª edição, a Trienal de Arquitectura investiga, dinamiza e promove o pensamento e a prática da arquitectura. Além do fórum internacional que é organizado de três anos em três anos, a associação tem uma actividade contínua e produz eventos ao longo do ano como o Open House Lisboa e as Conferências Distância Critica.

Motivos para regressar a Coimbra não faltam. Passear pelas margens do Mondego, visitar o Museu Machado de Castro (que reabriu este ano após extensa renovação) ou a Biblioteca Joanina (reconhecida como uma das mais belas do mundo) são apenas alguns exemplos de entre muitos outros pontos de interesse. Um outro é o Festival Internacional de Blues de Coimbra, conhecido como Coimbra em Blues.

Na sexta-feira passada, a Tinta-da-China lançou em Portugal o mais recente livro de Alberto Manguel, “Monstros Fabulosos – Drácula, Alice, Super‑Homem e outros amigos literários”.
Um livro entusiasmante sobre a relação que construímos com os personagens literários que vamos conhecendo.

Olafur Eliasson é conhecido pelas suas esculturas e instalações em grande escala, nas quais emprega elementos como a luz, água, temperatura do ar para enriquecer a experiência do espectador. Nelas traça um caminho exploratório do espaço comum entre arte e ciência.

Se alguém pensa que irá encontrar na encenação de Mónica Garnel uma versão dita clássica, repleta de togas gregas, colunas e marcações previsíveis é porque não tem estado atento à modernidade da sua forma de ver o Teatro.

O agora denominado “Museu de Fotografia da Madeira – Atelier Vicente’s”, espaço museológico desde 1982, reabriu ao público ontem.
Estivemos lá, contamos como foi e o que lá pode encontrar.