A peça é de 1977. A protagonista é Joana, mulher de grande vitalidade e energia que emprega para prover materialmente e em cuidados seus dois filhos menores, frutos de seu relacionamento com Jasão. Para ela, a vida não era “jogo, piada, risada, paz”.

Milkman, de Anna Burns, transporta-nos a uma época que podemos situar no fim da década de 60 e meados da década de 70. Não refere a cidade onde tudo acontece, mas deduzimos que seja algures na Irlanda do Norte em pleno conflito (The Troubles)

Gisela Casimiro conversou connosco a respeito do seu livro, “Erosão”, e dos seus muitos projectos artísticos
Mulher do seu tempo, reflexiva e frontal, falou-nos das questões que a inquietam e a movem e que se reconduzem, na essência, à condição humana.

844 dias depois do seu início, a 15 de Fevereiro de 2017, chegou ao fim a mais ambiciosa empreitada de leitura a que alguma vez me propus: a leitura integral da “Comédia Humana” [La Comédie Humaine].

Grada Kilomba é escritora, psicóloga, teórica e artista interdisciplinar. A viver em Berlim há vários anos foi ali que publicou pela primeira vez o resultado da sua investigação, em 2008. Dez anos depois a obra conhece tradução portuguesa através da editora Orfeu Negro. Memórias da Plantação: Episódios de Racismo Quotidiano.

Foi em 1955 que, pela primeira vez, Mujica Láinez tomou conhecimento da existência de misteriosas esculturas sitas num quase desconhecido jardim italiano. Foi em 1958 que visitou, pela primeira vez, as monstruosas estátuas de pedra do Bosco Sacro, sito na localidade de Bomarzo, algures a meio caminho entre Florença e Roma

Uma questão de conveniência – Sayaka Murata Sayaka Murata é uma descoberta recente em matéria de letras orientais. […]