Diamantino ou o surrealismo agridoce “Diamantino”, a primeira longa de Gabriel Abrantes, co-realizada com Daniel Schmidt, estreia amanhã […]

Uma Educação por Joana Gonçalves

Eu não percebo nada de cinema. Eu só gosto muito de cinema. E de ir ao cinema. Em casa, perde-se a magia. A imagem não é projectada do fundo da sala mas vem da televisão com cores berrantes. Há qualquer coisa de especial em comprar um bilhete e entrar numa sala escura para durante duas horas ingressarmos noutra realidade.