Viver em Pequim e circular por esta cidade equivale a viver em dois mundos, que não são distintos, pois estão a cruzar-se de forma tão pacífica como paulatina. É impossível não constatar a existência de dois mundos ou duas épocas, que convivem no quotidiano.