Hildegard von Bingen, também conhecida como Sibila do Reno, foi uma monja beneditina, mística, teóloga, filósofa, compositora, poetisa e naturalista germânica.
Apesar de enorme importância que teve no seu tempo, o seu nome acabou por cair no esquecimento tendo sido redescoberta no último quartel do XX.
O João Pedro recupera o seu trabalho neste artigo, composto em duas partes.
Hoje publicamos a segunda, dedicada à sua música.

Hildegard von Bingen, também conhecida como Sibila do Reno, foi uma monja beneditina, mística, teóloga, filósofa, compositora, poetisa e naturalista germânica.
Apesar de enorme importância que teve no seu tempo, o seu nome acabou por cair no esquecimento tendo sido redescoberta no último quartel do XX.
O João Pedro recupera o seu trabalho neste artigo, que será publicado em duas partes.
Hoje publicamos a primeira delas, dedicada à figura de HvB.

Na sexta-feira passada, a Tinta-da-China lançou em Portugal o mais recente livro de Alberto Manguel, “Monstros Fabulosos – Drácula, Alice, Super‑Homem e outros amigos literários”.
Um livro entusiasmante sobre a relação que construímos com os personagens literários que vamos conhecendo.

Não conhecia esta Lana del Rey, mais ácida do que doce, um talento tremendo para cantar histórias, brincar com palavras e, mais do que tudo, para transportar o ouvinte para o contexto em que se coloca enquanto narradora, como se aquela música e aquela letra fossem gémeas siamesas em harmonia simbiótica.

É o outono, estúpido, e neste que começa ouvem-se as vozes de algumas mulheres que encarnam bruxas, resistem a um aparente fim dos tempos e se dispõem ao sacrifício numa pilha de livros vulneráveis.

Patrícia Pinto é designer de moda, sendo o seu trabalho marcado pelos coloridos, mistura de influências e padrões de tecidos e malhas.
No seu bonito atelier, conversamos sobre os influxos no seu trabalho, desde a natureza impressiva das paisagens madeirenses, passando pelas técnicas manuais e ancestrais, até às mulheres na e da sua vida.

Os tempos mais recentes têm-nos oferecido muitos exemplares de literatura distópica. Mas, considerando os ventos que correm, seria bom que surgissem novos propostas de organização sócio-política assentes no direito de todos a uma vida feliz.