Como ciência que estuda o passado da humanidade, analisando os acontecimentos e processos já decorridos, a História tem ela própria sofrido ao longo do tempo transformações, decorrentes dos avanços científicos, das mutações políticas, sociais, económicas e culturais que lhe permitiram integrar novas abordagens, novas metodologias e novos campos de investigação.

Ainda hoje me surpreende o modo como os demais convivas não ouviram o meu coração a bater descontroladamente. Tinha-se instalado uma atmosfera de normalidade a partir do momento em que nos sentámos à mesa que apenas a mim, pelos vistos, parecia bizarra.

Andava eu num frenético zapping na plataforma Netflix, algures em 2017, quando dei de caras com um documentário com o título sugestivo de “O centro não consegue suster-se”. Li a sinopse e fiquei curiosa. O documentário pretendia retratar a vida de uma escritora/jornalista americana, de seu nome Joan Didion.

O ano de 2020 iniciou-se para mim com um peculiar toque de brasilidade, proporcionado por alguns dias de visita à região amazônica, cujo esplendor seduz de imediato, sem qualquer chance de escape, e permanece retido nas memórias de quem por lá se aventurou.

Sentam-se, quase colados, aproximam-se do telefone que ela segura exatamente no meio dos dois, onde as pernas e os ombros se tocam, e cada um fica com a ponta de um auricular. Sem uma palavra, concentrados, acabam por encostar as cabeças e ficam ali, alheados do mundo.

Aparentemente de resposta evidente, esta é talvez uma das perguntas que, entre amigos, mais divide opiniões. Há os que, como que enfeitiçados pelo génio de Musk[1], não hesitam em responder afirmativamente, os que, pelo contrário, não chegam a considerar essa hipótese e, por fim, aqueles que, por motivos vários, se incluem nos nem-nem. Na verdade, em todos os grupos há sempre um nem-nem.

Mirai é um filme absolutamente inesquecível. Trata-se de um anime, como não podia deixar de ser. O tema é a importância da família e como, por vezes, os ciúmes entre irmãos podem levar a uma reflexão sobre nós próprios.

Na Literatura, como em tantos outros aspetos da vida humana, há sempre quem olhe de soslaio para manifestações artísticas, pedantemente, apelidadas de menores.

Antes de introduzir o artista que é o tema deste texto, peço aos leitores da Epulata que façam um rápida pesquisa no Google, como imagino que a maior parte das pessoas fazem quando se deparam com um nome ou um tópico que não conhecem. Pesquisem: António Soares.