Sentam-se, quase colados, aproximam-se do telefone que ela segura exatamente no meio dos dois, onde as pernas e os ombros se tocam, e cada um fica com a ponta de um auricular. Sem uma palavra, concentrados, acabam por encostar as cabeças e ficam ali, alheados do mundo.

Antes de introduzir o artista que é o tema deste texto, peço aos leitores da Epulata que façam um rápida pesquisa no Google, como imagino que a maior parte das pessoas fazem quando se deparam com um nome ou um tópico que não conhecem. Pesquisem: António Soares.

Olho para trás e sinto que o bosque me engoliu, não encontro o caminho de regresso para o meu carro. O animal fita-me, como se visse mais do que era suposto.

Todas as oportunidades são boas para visitar o MNNA. E, desde 29 de Novembro do ano passado até 15 de Março, a exposição “Alvaro Pirez d’Évora. Um Pintor Português em Itália nas Vésperas do Renascimento” é mais uma.

Prólogo, Ato, Epílogo de Fernanda Montenegro Nascida a 16 de Outubro de 1929 Fernanda Montenegro celebra hoje 90 […]

Olafur Eliasson é conhecido pelas suas esculturas e instalações em grande escala, nas quais emprega elementos como a luz, água, temperatura do ar para enriquecer a experiência do espectador. Nelas traça um caminho exploratório do espaço comum entre arte e ciência.