No radar

por Carla Coelho

Foi numa noite quente de Verão em pleno bairro de Alfama que ouvi Pela primeira vez o Corelis. Num espaço pequeno (o que não desencorajou o público) o coro emprestou a sua voz a um velho clássico do cinema mudo russo, no âmbito do festival CineAlfama. A actuação provou não só a harmonia das vozes, mas também a versatilidade do repertório do grupo. Coro amador criado em 1993 o Corelis tem hoje como maestro Filipe Nunes Leal. Actua sobretudo “a capella” ou com órgão. Mas associa-se a outros instrumento musicais, quando as peças escolhidas a isso conduzem. O repertório deste coro é variado. Das canções populares nacionais e europeias a obras do Renascimento e Barroco, passando pelos espirituais negros e hinos.

Na segunda-feira, ao fim do dia (pelas 20h00) vamos todos poder ouvir o Corelis cantar, num concerto englobado nas festas de Nossa Senhora da Saúde, na Quinta da Penha Longa, em Sintra. No programa estão poemas de Sá de Miranda e Ruy Cinatti e obras musicais de autores como Joan Cerelols e Mozart.

A capela é pequena, pelo que vale a pena chegar mais cedo. De certeza que vão dar por bem empregue o esforço e, no final, a única lamentação vai ser o tempo passar tão depressa quando o Corelis canta.