A rainha, olhos castanhos aquosos e protuberantes, confessa-se incapaz de chorar e isso perturba-a. Rasgo a embalagem do pequeno chocolate recheado de caramelo e trinco-o. Falta geada àquele olhar.

A ralé, no sentido assegurado por Hannah Arendt, o refugo de todas as classes, se tornou a classe dos burocratas, são os nossos novos senhores. A ralé está no poder.

Vieram-me à memória, em torrente, imagens de mim pequena, em que aguardava a chegada da minha avó ao fim do dia a casa, com os seus bonitos saias-casaco e sapatos de salto alto.

A 20 de Setembro de 1519, Fernão de Magalhães partiu de Sevilha ao comando, sob a bandeira do rei de Espanha, da expedição marítima que efectuou a primeira viagem de circum-navegação ao globo.

Mais do que recordar este ou aquele episódio tenho procurado nos últimos tempos, encaixar num todo (“eu”) os vários acontecimentos da minha vida. É a preocupação de quem, aos 89 anos, encerra um passado longo e um futuro curto. Mas o empreendimento não me deixou tranquilo.

Sentados à mesa de um restaurante, cada um com uma imperial à frente e com o jantar escolhido, Germano estava pronto para prosseguir o seu relato.

Apesar das muitas controvérsias geradas em torno da sua figura, desde alegadas ligações à CIA, aproveitamento mediático aquando da elaboração, no início da sua carreira jornalística, de um artigo sobre as “Coelhinhas da Playboy”, acusações de mentir às mulheres induzindo-as a privilegiar a carreira profissional em detrimento da maternidade e até (pasme-se!) da circunstância – à qual é obviamente alheia – de ser uma mulher bonita, são muitos e, de todos os cantos do mundo, os que têm procurado orientação e esperança em torno das palavras de Steinem e do seu talento em produzir citações de conteúdo inspiracional e, sobretudo, mobilizador.